29 novembro 2009

Documentário sobre Jesuíno Brilhante

Estudantes de jornalismo e o guia "Zé Doido"
No sábado (28/11) estive na aconchegante cidade de Patu. Não fui "turistar". A cidade com suas serras, lajedos e o santuário do lima é um cartão postal, mas a minha visita foi parte de um projeto que estamos idealizando, trata-se de um documentário sobre um dos primeiros cangaceiros que se tem notícia, o potiguar Jesuíno Brilhante, também conhecido como "cangaceiro romântico".

A história de Jesuíno é controversa, para muitos ele foi um criminoso e para outros um herói. Os relatos descrevem o cangaceiro como extremamente caridoso a ponto de roubar dos ricos para distribuir aos pobres. Uma das suas características mais marcantes lembrada pelas nossas fontes é a forte religiosidade de Jesuíno, que não admitia, já em meados do século XIX, que as mulheres fossem abusadas por quem quer que fosse. Quando alguém "mexia"(transava) com uma jovem, Jesuíno sequestrava um padre, reunia o agressor, a moça desonrada e fazia o casamento a força, tendo o malfeitor sob a mira do bacamarte.

O destaque dessa viagem fica com o nosso guia "Zé Doido", que não gosta de ser chamado de Zé, tem que ser "Zé Doido" mesmo. Zé é uma figura caricata e engraçada, é também o responsável por guiar os estrangeiros através dos pontos turísticos de Patu, ele afirma que o relevo da região é perfeito para voar de parapente, "Todo dia tem gringo por aqui querendo 'vuá'...'num' aguento mais 'vuá' nesse troço," diz.

Voltaremos a Patu para concluir a fase de captação de imagens e depoimentos, depois disso vem a edição e o lançamento do documentário. Quando finalizado postarei o trabalho neste espaço. Escreverei mais a respeito da produção do documentário, dos personagens que encontramos e conversamos, da beleza da cidade e também de Jesuíno Brilhante, "o cangaceiro Romântico".

Aluísio Dutra, secretário de cultura da prefeitura de Patu e nossa esquipe

15 outubro 2009

Imagens de Areia Branca

No dia 12 de outubro, dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, acompanhei o escritor Chico Rodrigues em uma rápida visita à cidade de Areia Branca, musa inspiradora do memorialista (ou saudosista como ele se autodenomina). Compartilho com os leitores do blog algumas imagens que colhi durante a minha passagem pela cidade.


Essa é a igreja da Cidade, encontra-se m reforma, mesmo assim é possível notar a sua beleza. Está estratégicamente localizada na frete do porto da cidade para que proteja as embarcações e os seus tripulantes.

Foto tirada de cima de um rebocador, ela revela um pouco do trânsito no porto de Areia Branca.


No horizonte podemos ver o ponto por onde as embarcações saem e entram no porto da cidade.


Trânsito do porto visto por outro ângulo, mais a frente uma típica salina potiguar.



Essa embarcação em destaque é uma balsa, ou ferry boat, é usada para transportar veículos e passageiros para cidades litorâneas vizinhas, como grossos e Tibau.


Essa é uma Jangada. Embora seja um dos símbolos do estado do Ceará, ela faz parte da paisagem de todo o litoral Nordestino.


Na foto o rebocador que usei para capturar as fotos panorâmicas.



Embarcações ancoradas no porto.



Esse é um ótimo hotel à beira mar situado na praia de Upanema, Areia Branca. Upanema é somente uma das praias dentre muitas do litoral da "costa branca".