O documentário "Jesuíno Brilhante, o herói bandido" é o resultado de um trabalho de um então grupo de alunos do curso de jornalismo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, dentre eles, além deste jornalista que escreve, Bruno Soares, Lenilson Freitas, Fábio Faustino, Rodolfo Paiva e Stenio Urbano. A produção contou também com a participação do técnico em imagens Cícero Pascoal e a supervisão do professor Tobias Queiroz.

Produção 

De produção e pretensões modestas, a ideia era contar a história do cangaceiro potiguar Jesuíno Brilhante em no máximo 20 minutos e isso só poderia ser feito através de entrevistas, uma pesquisa mais elaborada não era possível, pois tudo o que se sabe de Jesuíno Brilhante é vem de relatos orais e da literatura de cordel. O único livro sobre o cangaceiro baseia-se também nessas duas fontes. Foi então que selecionamos alguns cidadãos patuenses (cidade de Patu, local de origem de Jesuíno Brilhante) entre entusiastas e conhecedores da história de Jesuíno e dois pesquisadores

Mito

Jesuíno brilhante é, como a maioria dos cangaceiros famosos, um mito. Transita no imaginário popular ora como bandido, ora como herói, e as entrevistas contidas no documentário revelam essa dupla interpretação que se tem do cangaceiro. Os diferentes pontos de vista nos relatos dos participantes do documentário, resultam da aura mítica que a história de Jesuíno carrega.

Experimentalismo

O documentário é experimental. As narrativas foram substituídas por versos de cordéis que contam a história de Jesuíno. Os versos delimitam os capítulos, em ordem cronológica. Cada verso inaugura uma passagem da história de Jesuíno que imediatamente se conecta com as versões dos entrevistados. É um "docordel".

Ficha Técnica

Pesquisa: Bruno Soares e Stênio Urbano.
Fotografia: Bruno Soares e Cícero Pascoal
Roteiro: Allan Erick
Entrevistas: Rodolfo Paiva e Stênio Urbano.
Edição de imagens: Cícero Pascoal e Allan Erick
Direção: Allan Erick, Bruno Soares, Stênio Urbano e Rodolfo Paiva
Entrevistados: Alfredo Leite, Maria das Dores(Dodôra), Zé de Alzerina, Stanislau Lima, Kildemir Dantas e Dona Francisca.

Making Off




2 تعليقات

  1. Muito bom, parabéns pelo curta. Nasci nessa região, mais precisamente no Sítio Palha – São José de Brejo do Cruz - PB, onde Jesuíno foi enterrado. Meu pai o conheceu. Dizia meu velho que Jesuíno era um homem muito bravo, mas também muito justo e solidário aos pobres... Um verdadeiro Robin Hood do Sertão...

    ردحذف
  2. Obrigado pela visita. Morei 10 anos em Campo Grande, capital do MS. Amo essa terra.

    ردحذف

إرسال تعليق

أحدث أقدم