14 outubro 2017

Delator diz que Cunha recebeu R$ 1 milhão para comprar votos do impeachment de Dilma



O delator Lúcio Funaro prestou depoimento em agosto de 2017, depois de um acordo de delação premiada. Sua delação foi homologado pelo ministro Luiz Edson Fachin. Em seu depoimento o operador financeiro revelou o que os mais atentos aos fatos políticos do país já sabiam, o impeachment de Dilma não passou de um golpe articulado por corruptos.

Via Folha de São Paulo

O operador financeiro Lúcio Funaro afirmou em depoimento à Procuradoria-Geral da República que repassou R$ 1 milhão para o ex-deputado Eduardo Cunha comprar votos a favor do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

Funaro disse que recebeu uma mensagem de Cunha, então presidente da Câmara, dias antes da votação no plenário, ocorrida em 17 de abril.

"Ele me pergunta se eu tinha disponibilidade de dinheiro, que ele pudesse ter algum recurso disponível para comprar algum voto ali favorável ao impeachment da Dilma. E eu falei que ele podia contar com até R$ 1 milhão e que eu liquidaria isso para ele em duas semanas no máximo."

Nota do Blog: Insisto que delação premiada não é prova e sim um caminho para que se chegue a ela, mas diante da gravidade dessa delação cabe alguns questionamentos. Afinal, se essa denúncias de Funaro for confirmada, como as instituições que apoiaram ou silenciaram diante do golpe vão se manifestar? Mais notadamente o MP e o STF? Me recordo do ministro Celso de Melo, meses depois da consolidação do golpe, afirmar que o Brasil vivia um clima de absoluta normalidade democrática.  Outro ministro do STF, Marco Aurélio Mello, também chegou a afirmar que discordava dos que diziam que o Brasil tinha sofrido um golpe. Os ministros vão se retratar ou a compra de parlamentares está no rol daquilo que eles entendem como legal e democrático? E todos os que enchiam o peito para repetir o argumento raso de que "Impeachment não é golpe porque está na constituição? E a grande mídia que apoiou descaradamente a ruptura democrática, dando apoio simbólico e cobrindo manifestações como se fossem micaretas?

Ou vão fazer ouvidos moucos mais uma vez, por vergonha ou cumplicidade, ou continuar repetindo a versão oficial, cada dia mais desacreditada, de que Dilma caiu por causa de "pedaladas fiscais" e por liderar um governo corrupto e incompetente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário