24 agosto 2018

Incidente em Mossoró levou avião de Haddad a ficar 20 minutos sem poder pousar. Sabotagem?



Do meu apartamento é possível acompanhar o tráfego aéreo do Aeroporto Dix-Sept Rosado, em Mossoró. Sou entusiasta de aviação, então estou familiarizado com os procedimentos de pousos e decolagens de aeronaves. Fiquei de "sentinela" aguardando a chegada do avião que trazia Haddad e quando ele já estava sobrevoando Mossoró, percebi que havia algo errado. A aeronave dava voltas mas continuava na mesma altura. Imaginei que poderia ser algum corpo estranho na pista que pudesse comprometer a segurança da aeronave durante o pouso, e que o problema estava sendo resolvido. Quando o avião enfim pousou, por volta das 21h30 de quinta-feira (23), fiquei sabendo de todo o imbróglio através de colegas jornalistas. Como a imprensa Mossoroense praticamente ignorou o acontecimento, fui buscar mais detalhes nos blogs alternativos. Vejamos o que escreveu sobre o fato o Jornalista Renato Rovai:

Do blog do Rovai

O candidato a vice-presidente na chapa de Lula, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, está cumprindo agenda no Nordeste nesta semana. Na noite de quinta-feira (23), ele foi para Mossoró, Rio Grande do Norte, onde pela primeira vez o PT tem uma candidata com chances reais de vencer as eleições, a senadora Fátima Bezerra.

Quando o avião com a comitiva petista se aproximou do aeroporto da cidade, para surpresa de todos, as luzes estavam apagadas e não havia como pousar.

Iniciou-se uma verdadeira guerra de informações e contrainformações acerca do que estava acontecendo e enquanto isso o avião com um provável candidato a presidente da República ficava dando voltas sobre a pista sem ter o que fazer.

Os responsáveis pelo aeroporto alegavam que a pista só funcionava até às 18h45. Os coordenadores da ida de Haddad a Mossoró garantem que tinham autorização para o pouso às 20h e que haviam comunicado que haveria um pequeno atraso neste horário.

O fato é que foram 20 minutos de tensão e que deixaram os petistas muito preocupados em relação à segurança de Haddad. O PT vai solicitar investigação em relação ao ocorrido e trabalha com a hipótese de ter havido uma sabotagem intencional num estado que é governado por oligarquias há muito tempo. (Renato Rovai)

Claro que é muito cedo para falar em "sabotagem," mas diante do ódio político e do fascismo que se instalaram no país, é uma hipótese que não pode ser descartada. Não vamos esquecer do áudio vazado da aeronave que levou Lula para Curitiba, onde ouvia-se claramente um controlador de voo incitando o assassinato do ex-presidente: "Leva e não traz nunca mais", e em outro momento, "Manda este lixo janela abaixo aí".  

Ouça o áudio



Cabe refletir também se essa situação seria a mesma caso, ao invés de Haddad, o político em campanha fosse Geraldo Alckmin (PSDB), Jair Bolsonaro (PSL) ou qualquer outro do campo da direita. Alguém consegue imaginar a muvuca que seria se uma comitiva de Geraldo Alckmin (PSDB) ficasse por 20 minutos sobrevoando o aeroporto de Mossoró, aguardando que as luzes de balizamento fossem ligadas, porque a pista só funciona até às 18h45?

Em 2016, durante a campanha para prefeito de Mossoró, o candidato Tião Couto, na época  filiado ao PSDB, recebeu a visita de Tasso Jereissati (PSDB), que veio em sua aeronave particular, um bimotor a jato de médio porte. A chegada do político, inicialmente programada para às 18h, aconteceu cerca de 1h30 depois, ou seja,  por volta das 19h30. 

Nessa época parece que o horário de funcionamento da pista não foi um problema e os responsáveis pelo aeroporto estavam lá para garantir a segurança do pouso.

A atitude criminosa do controlador de voo da aeronave que transportou Lula caiu no esquecimento, o mesmo deve acontecer com esse evento, no mínimo irresponsável, envolvendo mais um quadro do PT. Sintoma de um país que naturaliza ou relativiza o ódio contra um partido popular.

Nenhum comentário:

Postar um comentário